A despedida é a parte mais difícil

Não importa se passamos um dia ou uma semana juntos, meu coração sempre aperta assim que paramos de mãos dadas em frente ao portão da minha casa. Então você inclina a cabeça para o lado e me olha com um sorriso de canto, eu te olho de volta e faço bico enquanto brinco com seus dedos. Você diz que está tarde e no outro dia levanta cedo, eu te abraço pedindo mais cinco minutinhos. Você cede e os minutos voam, peço mais cinco, eles voam mais rápido ainda. Infelizmente, uma hora você precisaria ir embora.

Leia mais »

#ACONTECEUEMSP – 32ª Bienal de São Paulo: Incerteza Viva

O tema da 32ª edição da Bienal de São Paulo de 2016, que acontece de dois em dois anos na cidade, é Incerteza Viva. Muitas pessoas dizem não entender a arte ou a acham “chata”, mas, como disse Edgar Ramos em um texto que li: “Entender de arte é entender as emoções humanas”, ou seja, se você não entende a arte consequentemente não entende suas próprias emoções.

100_1938.JPG

Leia mais »

FILME: UM NAMORADO PARA MINHA MULHER

Esse post é em memória de Domingos Montagner. Descanse em paz.

Para os fãs de filmes brasileiros, trago para vocês uma resenha/indicação do filme Um namorado para minha mulher de Júlia Rezende. Eu, particularmente, adoro as atuações da Ingrid Guimarães e esse foi um dos motivos que me levaram a ir ao cinema plena quarta-feira, o segundo motivo foi um cupom de desconto que ganhei da Cacau Show.

“Chico (Caco Ciocler) está cansado do seu relacionamento e das reclamações da esposa, Nena (Ingrid Guimarães). Após 15 anos vivendo juntos, Chico não tem coragem de pedir divórcio. Ele decide seguir o conselho dos amigos e contrata um amante para sua esposa, o sedutor Corvo (Domingos Montagner), na esperança de que ela se envolva com ele e acabe com o casamento.”

Leia mais »

RESENHA: Sonata em punk rock

A nova protagonista de Babi Dewet é Valentina ou Tim, como prefere ser chamada. Com punk rock na veia, é aceita na Academia Margareth Vilela: uma escola de música clássica. Mas, o que uma garota com um estilo totalmente contrário faria naquele lugar? Sendo que não tinha dinheiro e nem uma reputação como os outros estudantes, exceto pelo seu sobrenome: Gontcharov.

Narrado em terceira pessoa, o primeiro livro da trilogia Cidade da música conta a história de Tim. Uma garota inteligente, rebelde e totalmente punk rock que é aceita em uma das melhores academias de música do país. Para realizar seu sonho de ser uma grande artista, Tim muda-se para a tal Cidade da Música e entra em um mundo totalmente novo.

100_1543

Em boa parte da obra, Valentina sente-se deslocada dos demais alunos. Todos pareciam ter nascido com um violino dentro de casa, já a garota não tinha sequer visto um instrumento desse pessoalmente, exceto sua velha guitarra.

Kim é o melhor pianista da academia e filho da diretora. Não vai muito com a cara de qualquer pessoa e a segunda vista, não foi com a cara de Valentina, justamente pelo seu estilo ser diferente das outras pessoas.

A história é bem simples e gostosa de ler. Basicamente, é uma garota correndo atrás de seus sonhos, de mostrar que pode ser melhor do que muitos pensam e faz de tudo para conseguir. Ela não se importa em ser diferente, gosta disso.

Cada capítulo é o nome de uma música, então, coloque os fones de ouvidos antes de iniciar a leitura. Além das diversas referências que a autora espalha pelo livro. Juro que depois de ler, sou capaz de reconhecer muitas músicas clássicas e estou com uma louca vontade de aprender a tocar piano.

100_1556.JPG

A finalização do livro é exatamente como eu esperava, até comentei com a Babi sobre isso e ela concordou comigo, infelizmente, se eu contar aqui perderá toda a graça. Uma coisa eu garanto: o final não decepciona e dá muita esperança.

Nome: Sonata em punk rock
Autora: Babi Dewet
Editora: Gutenberg
Nº de páginas: 300
Ano de edição: 2016

COMPRAS E TROCAS: Bienal do livro em SP

É preciso muita calma e pesquisa para selecionar os livros que você realmente quer adquirir na Bienal do livro. Eu selecionei alguns títulos e os valores que eu encontrava em livrarias físicas e digitais, mas quando cheguei na Bienal os títulos mudaram bastante. Posso dizer que esse ano apenas um livro dos que comprei era desconhecido e só adquiri pelo preço.

100_1603.JPG

Lançamento da Pam Gonçalves, que a propósito, já devorei e em breve trago uma resenha para o blog.
Preço: R$ 25,00

100_1605.JPG

O novo livro da Babi Dewet que também foi lançado na bienal. O livro mais caro que comprei na edição desse ano e o próximo post do blog será uma resenha sobre ele.
Preço: R$34,90

100_1584.JPG

Esses dois livros na verdade eu não comprei. Passeando pela bienal eu notei um sebo com preços maravilhosos e uma plaquinha avisava: trocamos/compramos livros usados. Conversei com o superior do estande e no dia seguinte levei quatro livros que não gostei muito, dois eu tinha comprado na bienal de 2014, um foi um presente (sorry) e o outro comprei na promoção. Meu crédito no estande foi de R$30,00. Achei um absurdo por que eu tinha levado quatro livros intactos, mas tudo bem. Escolhi esses dois livros que já estava querendo a um tempo.
Preço: R$15,00 cada

100_1588.JPG

Nesse mesmo sebo comprei Queimada e Despertada da saga House of Night, já Indomada e Caçada comprei em outro estande que não me lembro o nome.
Preço: R$10,00 cada.

100_1598.JPG

Eu já li toda trilogia de Sábado á noite, mas só tinha os dois últimos livros, aproveitei que o estande da Évora estava em promoção e adquiri o primeiro livro.
Preço: R$20,00

100_1591.JPG

Comprei esse livro apenas pelo preço mesmo, nunca ouvi falar a respeito, mas adorei a sinopse! Espero que seja bom.
Preço: R$5,00

Eu comprei a continuação da saga Peça-me o que quiser para a minha mãe, paguei R$29,90 nele sendo que estava R$50,00 nos demais estandes e R$40,00 na internet.

No total, gastei R$154,80. Calculando agora achei um absurdo ter gastado tudo isso em livros, mas pensando bem, sai em vantagem. Tirando os lançamentos, não compraria por preço menor em outro lugar.

Bati minha meta de marcadores, esse ano consegui pegar 215! Nem eu acreditei enquanto contava. A maioria é repetido, mas… Aguardo ansiosamente pela próxima bienal e espero estar trabalhando para adquirir todos que eu quero, sem pular nenhum item da lista.

24ª Bienal Internacional do Livro em SP

Esse evento foi um dos mais esperados por mim desde que 2016 começou, minha segunda Bienal Internacional do Livro em São Paulo! Esse ano consegui aproveitar o máximo que pude desse evento, mas ainda tenho a sensação de que não vivi tudo o que a Bienal tem para oferecer.

São vários estandes, palestras, autores e sessões de autógrafos durante todos os dias do evento. Uma ótima oportunidade para lançar livros e para autores iniciantes divulgarem o seu trabalho. Além de fazer amizades e muito networking!

Eu estava decidida em ir todos os dias da Bienal, mas por motivos de preguiça fui apenas em cinco dias, no total, eram dez. Pude conhecer autores que eu tanto admirei e ainda não conhecia, assim como fui prestigiar aqueles que já havia conhecido. Bati meu recorde em compras de livros e por isso, daqui em diante terão muitas resenhas.

Leia mais »

DIA DO BLOG: Início + Inspirações

Desde que comecei a participar de algumas redes sociais acompanho produtores de conteúdo virtual e aqui no blog sempre teve referência de cada um deles. Seja na maneira de escrever, gravar ou tirar fotos, blogueiros mais experientes tem muito que nos ensinar sem ao menos perceberem isso.

Iniciei o blog para compartilhar meus textos, e como vocês podem perceber, agora faço bem mais do que isso por aqui. Tive muita vergonha de divulgar para as pessoas que conhecia, até porque ser blogueira é sinal de falar look do dia e tirar foto para instagram. Muita gente ainda tem a mente pequena e pensa que é assim. Mas, com o passar do tempo e a amizade que criei com outros produtores de conteúdo me fez perceber o quão bobo isso era, e que se estou na internet para passar meus conhecimentos ou compartilhar assuntos que eu gosto preciso ter leitores. Ninguém gosta de falar com as paredes.

Me assusto quando recebo certos tipos de comentários, nunca me esquecerei quando falei sobre bullying em um outro blog como colunista e o tanto de confissões que recebi depois daquilo. Sou capaz de mudar a vida das pessoas assim como um dia mudaram a minha.

Nunca acompanhei apenas um blog. Até hoje eu costumo jogar um assunto no google e entrar naqueles que talvez possam me interessar, foi dessa forma que conheci o Depois dos quinze e Literalmente falando. Do blog, Bruna Vieira e Iris Figueiredo foram para a literatura, também acompanho essa fase delas.

Como o meu objetivo no blog sempre foi escrever contos ou textos, minhas grandes inspirações são literárias. Ontem mesmo em um bate-papo que participei com as autoras de Um ano inesquecível elas falaram que não há segredo nenhum para escrever, é só falar sobre o que você ama, fazer o que você gosta e ter criatividade para juntar tudo isso. E é exatamente isso que tento fazer aqui no blog. Escrevo mais para mim do que para vocês. Um assunto que eu não gostaria de ler é um assunto que jamais traria para vocês lerem.

Tudo o que eu consegui em oito meses de blog é graças a vocês! Não sou famosa e muito menos rica, mas sou grata por todo o carinho que vocês sempre tiveram por mim. Muito obrigada!